Sessão poesia: Mãos…

Mãos…
Aquelas que amparam,
Aquelas que acalentam,
Aquela que acalma,
Aquela que reinicia a alma.

Acariciam,
Afagam,
Afeiçoam,
Agradam.

_ – Sinônimo de amorosidade.

Existem mãos que falam mais que os ventos e as brisas de outono…
Tão mais macias que a pele de uma flor que renasce em plena primavera.
Existem mãos que renascem corações adormecidos pelo tempo.

E ainda existem mãos,
Onde veias mais parecem rios…
Aquele curso de água doce, fluindo por gravidade em direção ao oceano…
um lago,
Talvez um mar, ou ainda, um outro rio.

Existem mãos…
Que mesmo que a memória apague,
Que mesmo que o tempo passe,
Serão eternamente eternizadas, _
(A maciez tal qual um veludo)
Pois pertencem o fundo de nossa alma.

Existem mãos…
Que nunca mais iremos sentir,
Que nunca mais iremos unir,
Mas que nos pertencem perante a eternidade,
Pelo todo que elas nos fizeram sentir.

 

Por: Fernanda Bortolança
Instagram: @fernanda_bortolanca

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.