Pedras nos rins: o que você precisa saber para preveni-las

As pedras nos rins são formações minerais sólidas que, ocupam a via de drenagem da urina, e também podem ser chamados de cálculos urinários ou litíase urinária. Esta condição é formada quando a urina possui cálcio, oxalato e ácido úrico em excesso, que acabam contribuindo para a formação das pedras.

Os principais sintomas para a presença dos cálculos urinários são a dor lombar em cólica e a presença de infecção urinária, porém, de acordo com o médico urologista, Dr. Marcos Tobias Machado, algumas situações podem não causar nenhum sintoma.

Além disso, há alguns fatores que contribuem para o surgimento do cálculo renal. “Homens entre 25 e 50 anos, pacientes que já tiveram pedras nos rins e pessoas que vivem em regiões quentes são mais suscetíveis a obter uma crise”, explica Dr. Marcos.

Abaixo, o especialista detalha os processos de formação para três tipos de pedras nos rins.

– Cálculos de cálcio: normalmente são formados por um aumento na eliminação do cálcio na urina (e não do cálcio ingerido na dieta). A causa é por seguir uma dieta rica em sal e pobre em água, podendo ter um traço hereditário associado.

– Cálculos de ácido úrico: formados através do metabolismo de proteínas em indivíduos com gota úrica (doença que acomete os rins e articulações devido ao aumento do ácido úrico no sangue).

– Cálculos de fosfato de amônio magnesiano: conhecido como coraliformes, devido ao formato de coral, se forma a partir do metabolismo de bactérias produtoras da enzima uréase, responsável por gastrite, esofagite, duodenite, úlcera e câncer no estômago.

Para a prevenção é importante citar que depende diretamente da causa e exames mais específicos podem ser realizados em situações de suspeita de cálculos de outras origens. Com o objetivo de ajudar, o especialista separou três principais dicas. Veja a seguir:

  1. Crie hábitos simples durante o dia-a-dia como o aumento do consumo de água;
  2. Reduza o sal na alimentação, isso evitará o principal tipo de cálculos entre os pacientes: o cálcio urinário;
  3. Fique atento (a) em obter a urina sempre clarinha.

Na maioria dos casos, com observação médica, os cálculos até 5mm podem ser eliminados espontaneamente. Caso seja necessária uma intervenção cirúrgica, a retirada das pedras é feita com procedimentos avançados, com destaque para a litotripsia extracorporea, cirurgias endoscópicas (por dentro da bexiga ureteres e rins sem incisão) e pela cirurgia percutânea (que utiliza apenas um orifício de entrada na pele).

“A cirurgia laparoscópica, por exemplo, é realizada com até cinco pequenas incisões. Esse método permite um acesso mais amplo ao rim e, atualmente, substituiu a cirurgia aberta na maioria de suas indicações”, finaliza.

 

Fonte: Dr. Marcos Tobias Machado

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.