Fugindo do clichê do amor moderno

Amor (s.m).
a·mor. Grande afeição que une uma pessoa a outra, ou a uma coisa, e que, quando de natureza seletiva e eletiva, é frequentemente acompanhada pela amizade e por afetos positivos, como a solicitude, a ternura, o zelo etc.; afeto, devoção.

Procurando a definição de amor para começar essa coluna em clima de Dia dos Namorados, achei um tanto quanto desafiador. São tantas definições e formas, o que me fez lembrar da série Modern Love, da Amazon Prime Video, que conta sobre histórias de amor em oito episódios antológicos em uma temporada que faz até os corações de pedra derreterem, e, que é a primeira indicação dessa coluna.
Mas se por um breve momento você supôs que essa série é mais uma obra de ficção com um roteiro clichê, beijos embaixo da chuva, declarações de amor no meio de um aeroporto, você se enganou.

Há 15 anos, a coluna Modern Love, do The New York Times traz ensaios pessoais sobre amor, perda e redenção. O jornalista Daniel Jones é o responsável por selecionar, a cada semana, uma história entre as mais de nove mil recebidas durante o ano, enviadas tanto por escritores profissionais e amadores. A coluna fez tanto sucesso que virou a inspiração para a série, claro, com certa licença poética para alterações.

Mas não espere encontrar histórias comuns de amor em que o homem se apaixona pela moça, tudo dá certo e eles têm um lindo final feliz. Modern Love traz o amor em sua forma mais real, sensível e verdadeira, então não espere um final feliz porque não é assim que a vida e relacionamentos funcionam.

Os episódios têm em média 30 minutos de duração – perfeitos para maratonar nesse fim de semana. Quando você percebe, nos cinco primeiros minutos você já está completamente imerso na trama. Agora, se você, como eu, leva um elenco em consideração na hora de decidir o que vai assistir, fique tranquilo porque essa produção faz isso com maestria.

A série tem Anne Hathaway (Os Miseráveis, O Diabo Veste Prada e outros milhões de filmes sensacionais – sou fã, pessoal), Dev Patel (Lion, Quem Quer Ser Um Milionário), Tina Fey (Saturday Night Live) e tantos outros atores que fazem você querer entrar dentro da televisão e dar um abraço em um dos personagens para dizer que vai ficar tudo bem, ou então, um tapa na cara porque alguns deles precisam – Maddy do episódio 6, é com você mesmo que estou falando.

Já aviso que os três primeiros episódios irão te fisgar de uma forma, que vai ser difícil não querer maratonar um atrás do outro – atenção para a obra-prima que é o terceiro episódio. Caso se interesse, você pode encontrar todas essas histórias – em inglês – no site do The New York Times.

Resumindo, minha indicação dessa semana fará você torcer, chorar, rir, se identificar, passar nervoso e se emocionar com todas essas histórias. Se você decidir dar uma chance para Modern Love, me marque nas redes sociais porque o que mais aquece meu coração é quando assistem minhas recomendações. Tem sugestão mais perfeita do que essa série em clima de Dia dos Namorados? Duvido.
Modern Love é sobre amor perdido, amor reencontrado, amor maduro, amor familiar, amor próprio, amor entre amigos, todos os tipos de amor. Apenas amor. Então separe a pipoca porque a programação para o fim de semana já está pronta.

Por: Letícia Justino
Instagram: @leejustino_
Twitter: @leejus_

, , ,

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.